sexta-feira, março 09, 2007

Sob o olhar dos outros (I)

A província da Huíla tem como capital o Lubango, ex-Sá da Bandeira, uma cidade do Sul de Angola, situada no planalto. Data de 1627 o primeiro contacto europeu com as terras do planalto angolano. Os primeiros sinais de povoamento europeu são dos “boers”, por volta de 1880.
Pouco depois surgiram os madeirenses que em Janeiro de 1885 fundaram a colónia de Sá da Bandeira. A dois de Setembro de 1901, Sá da Bandeira foi elevada à categoria de vila e tornou-se a sede capital da província da Huíla. Só é cidade a 31 de Maio de 1923, quando o caminho-de-ferro, depois de vencer o deserto e a serra, atingiu finalmente o planalto. A agricultura foi o primeiro objectivo de Sá da Bandeira, sendo o trigo a maior produção.
No entanto, o gado tornou-se rapidamente a maior riqueza da região. O boi é ainda hoje um símbolo de riqueza. Quando os transportes passaram a ser mecânicos e as estradas boas vias de acesso, fixou-se o comércio e rapidamente também a indústria. Assumiram a liderança os curtumes e as moagens. A metalurgia, o calçado, a banha, a salsicharia, as cerâmicas, as madeiras e os refrigerantes, seguiram-se em importância.
João António da Aguiar realizou o plano de urbanização da cidade, uma das mais belas de Angola. Para além do Lubango, apreciadores apontam a Huíla como a mais bela região de Angola, contendo de facto as mais cantadas paisagens de Angola, como a Serra da Leba, os rápidos da Tundavala ou a Nossa Senhora do Monte. As mais fortes presenças de colonização acontecem normalmente no litoral, mas a Huíla é uma excepção.
Encontram-se na Huíla grupos de origem portuguesa, mantendo as suas tradições e uma pronúncia bem marcada. O Lubango foi também uma das primeiras cidades do interior a possuir um Liceu, não só o Liceu Nacional Diogo Cão, mas também a Escola Industrial e Comercial Artur de Paiva, bem como o Instituto Agrícola do Tchivinguiro (Escola de Agronomia). FUNDOS PARA O DESENVOLVIMENTO A mobilização de quadros eficazes e de recursos financeiros para o êxito do programa de desenvolvimento da província, concebido em 2000, constitui uma das recomendações saídas do encontro provincial de quadros da Huíla, decorrido no ano passado, no Lubango.
O encontro recomendou a necessidade de o governo local criar mecanismos tendentes ao controlo dos quadros após a sua formação. Esta medida evitará a dispersão dos profissionais recém-formados e que a sua formação seja feita em função das necessidades e realidades do mercado de trabalho, o que aumentará o índice de emprego.
Neste contexto, com a angariação de recursos financeiros, as autoridades da Huíla deverão materializar o plano de construção de um Instituto Politécnico virado para as áreas da indústria, comércio e geologia e minas. Os participantes concluíram pela necessidade da criação da Universidade Pública do Lubango, para ministrar cursos de Ciências Agrárias, de Medicina e de Engenharia.
No concernente à reactivação, em pleno, do sector agro-pecuário, recomendou-se ao governo da província da Huíla a prosseguir com o processo de fomento desta actividade, assegurando a importação de imputes, fertilizantes, entre outros bens. As autoridades deverão também influenciar as instituições financeiras a concederem créditos às associações de camponeses e pequenos empresários agrícolas, para minimizar a carência que assola muitos produtores.
Aumentar os subsídios atribuídos ao pessoal envolvido nas campanhas agrícolas e de vacinação animal, bem como a criação de um sistema de informação estatística para fornecimento de dados agro-pecuários fiáveis, foram também recomendações do encontro.
O governador da Huíla, Francisco José Ramos da Cruz, garante que todas as conclusões e recomendações produzidas no encontro funcionarão como uma bíblia para o seu pelouro. FONTE: www.angolaacontece.com

Um comentário:

jpal_tecnico disse...

Sou tecnico em agropecuaria e gostaria de uma oportunidade.se alguem souber me mande um e-mail jpaltecnico@hotmail.com. Gostaria da oportunidade para atuar na produção de alimentos e na criação de animais