quarta-feira, fevereiro 28, 2007

Um olhar ao Luena de hoje

Isolamento, distante do mundo são as duas primeiras impressões que saltam a vista de quem chega ao Luena, capital do Moxico, ido de Luanda, a cidade frenética.
Do aeroporto para o centro da cidade a imagem de uma zona remota, parada no tempo, parece assaltar a mente do visitante. Aqui e ali algum movimento, mas longe de conformar uma cidade com vida. Nota-se também que há poucos milhares de habitantes na parte urbana do Luena. Ganhou este nome em homenagem a um rio que passa junto a cidade, a oriente. As suas enchentes nesta época de chuvas e o seu caudal capaz de arrastar consigo muita coisa infundem algum respeito aos populares. Nesta época são poucas as pessoas que arriscam um banho bem tomado ou a lavagem de roupa em zonas distantes, a não ser e pequenos grupos, como de resto acontece com frequência nos arrabalde desta Angola profunda. Luena só assim é chamada a coisa de 30 anos. Perdeu o seu anterior nome ( Luso) no fervor revolucionário, onde tudo foi nacionalizado, incluindo nomes.
O visitante confronta-se com ruas bem demarcadas. Um desenho arquitectónico que orgulha o Remígio Kahilo, 53 anos, feito “cicerone momentâneo” no que a zonas turísticas e sociedade civil dizem respeito. Este funcionário publico não se coíbe em dizer que muito devia ser feito para a melhoria da vida da cidade. “ Não se admite que nem uma empresa privada e nem os serviços comunitários limpem a cidade” atira o homem de meia idade não se importando com as alegações de que os governantes não gostarem de criticas directas. E foi o que observamos. Junto ao antigo Hotel Luso, hoje Luena, montes de lixo são visíveis não se vislumbrando sinais para a sua recolha. Apesar dos vários rios que rasgam as matas da zona leste de Angola não há agua potável no Luena.
A primeira pergunta que assalta o visitante é saber então o que faz a direcção província de aguas? A energia eléctrica sofre duras restrições, onde só pequena zona urbana é abastecida das 16 ás 23 horas. Vezes há em que os arredores da capital provincial também conhece o acender das lâmpadas.
A situação económica é difícil, os preços custam os olhos da cara. Não se vislumbram grandes obras de impacto social, com excepção de alguns jardins vedados para reparações paliativas. O nosso “cicerone momentâneo” alertou para um jardim que foi reinaugurado antes mesmo das obras terem conhecido o seu fim alegadamente porque alguém precisava de inaugurar algo. O Moxico é uma das províncias com maior falta de informação. Poucos são os jornais que chegam ao Luena, com excepção do Jornal de Angola que também sofre algumas limitações na sua distribuição.
A Emissora provincial da RNA está encerrada a quatro meses, pasme-se, para obras! Jornalistas locais dizem que pela lentidão dos trabalhos só lá para Agosto a voz local será ouvida. Neste momento a informação é monocórdica. De Luanda tudo se diz, no Luena tudo se ouve e o povo bate palmas.....

2 comentários:

Fino disse...

Caro Manuel Vieira, obrigado pelas palavras no Alto Hama do Orlando, sobre a amizade. O que ganhamos com ela ? hoje por via de uma amizade descobri o Serra da Chela que me vai permitir acompanhar de lonje o meu país. Farei certamente visitas ao Blog.

Kandus

Anônimo disse...

caros amigos.
suponho que luena fica proximo da mina LUO (Camatchia Camagico) correcto? conhecem algum hotel na zona?
se sim podem responder para walter.parchao@netcabo.pt ?
muito agradecido...