quarta-feira, abril 23, 2008

Radios em catadupa?

A informação é interessante! Tem a chancela a delegação em Luanda da Rádio VOZ DA AMÉRICA . Pelo interesse que suscita o assunto e para interessados no estudo e acompanhamento da nossa “ fauna” jornalística, particularmente ligada a rádio, cá vai o texto, com a devida vénia:

“ Depois de ter posto no ar, há cerca de duas semanas uma estação de rádio comunitária em Viana, arredores de Luanda, a Rádio Nacional de Angola prepara-se para lançar duas novas emissoras do género na capital, soube a Voz da América de fonte boa fonte.
As novas estações de rádio, definidas como centros de produção radiofónica vão cobrir os municípios de Cacuaco e do Cazenga. Ambas serão equipadas com emissores de 1 kilowatt.

A Rádio Viana , a mais adiantada de todas, terá um programa dedicado exclusivamente ao município, ao qual foi dado o nome de Antena Viana. Irá para o ar todos os dias, das 6 às 9 da manhã.

Fonte geralmente bem informada disse à Voz da América que a abertura destas estações de rádio faz parte de um programa já em andamento que visa servir com estúdios auto-operados os municípios do país que mais cresceram.
Já foram instaladas emissoras do género no Cubal e na Ganda em Benguela, bem como em Negage, Quitexe e em Sanza Pombo na província do Uíje, assim como no Tômbwa província do Namibe?.

Fontes oficiais contactadas pela Voz da América disseram que a programação destas estações será preenchida com conteúdo essencialmente local, estando prevista entretanto a retransmissão dos principais serviços noticiosos da emissora estatal.
As fontes contactadas pela Voz da América negaram que por detrás deste processo estivesse qualquer motivação política. “ Emissores de um kilowatt não podem concorrer com emissores de 5 kilowatts?. Observam ainda que todas as rádios terão o nome ligado aos municípios onde estão instaladas. Da mesma forma como existe a rádio Viana, existira a Rádio Cubal e por ai fora. “

Um comentário:

MESUMAJIKUKA disse...

Que venham mais rádios e com outra seriedade. Bons salários para a classe tb. precisam-se. Há muita gente na retranca.