terça-feira, março 17, 2009

Radio Ecclesia e a vinda do Papa

O director da Rádio Ecclesia, padre Maurício Kamutu,disse à Agência Lusa acredita que a visita do Papa a Angola vai ajudar a desbloquear as emissões da estação da Igreja Católica angolana para todo o país.
O director da Rádio Ecclesia, padre Maurício Kamutu,disse à Agência Lusa acredita que a visita do Papa a Angola vai ajudar a desbloquear as emissões da estação da Igreja Católica angolana para todo o país.

A Rádio Ecclesia, a emitir actualmente apenas para Luanda, de acordo com a lei em vigor, aguarda há 10 anos que o Governo permita a cobertura nacional. Em declarações à Lusa, o padre Maurício Kamutu, informou a Ecclesia já neste momento um prejuízo superior a três milhões de dólares (2,3 milhões de euros ao câmbio actual) em material nas províncias que se está a degradar por falta de uso.
"Os nossos técnicos que foram enviados para fazer a vistoria do material constataram que há muito material que já não serve", disse à Lusa o director da emissora, acrescentando que, caso seja autorizada a extensão do sinal, será necessário adquirir novos equipamentos.
Os equipamentos foram instalados em todas as províncias do país em 2002, mas a falta de uso causou a sua ruína, explicou o padre Kamutu. A Rádio Eclesia foi reaberta em Angola em 1997, depois do seu encerramento em 1977, no período pós independência, e até hoje "trava" uma luta para que o seu sinal seja escutado nas restantes províncias do país.
De acordo Maurício Kamutu, são vários os contactos que a Conferência Episcopal de Angola e São Tomé (CEAST) tem mantido com as autoridades angolanas para que a situação seja "desbloqueada". "Infelizmente não tem havido nem seguimento, nem concretização do que se tem dito", frisou o director, acrescentando que a rádio e os cidadãos, que "a todo o momento questionam quando estará resolvida a situação", continuam na expectativa.
Maurício Kamutu acredita que a situação possa resolver-se com a visita, de 20 a 23 deste mês, do Papa Bento XVI a Angola, salientando que é necessário haver "boa vontade e aceitação da rádio". "Pelo que temos visto até aqui, acho que não há boa vontade. O que falta de facto é vontade política, porque não podemos andar atrelados a uma lei, que deve ser feita para satisfazer os cidadãos, tornar a sua vida mais plena e não torná-la mais difícil", referiu.
Na reabertura da rádio foi perspectivado que o seu funcionamento fosse igual ao do tempo colonial, com o sinal para toda Angola, mas depois de criadas as condições, com o apoio de embaixadas e organizações não governamentais, não foi permitida a extensão do sinal.
"A igreja fez tudo com o apoio desses amigos. Os materiais foram instalados nas províncias e quando quis começar a difundir o sinal para todo o país, o Governo pura e simplesmente, pelo ministro da Comunicação Social, disse que a Rádio Eclesia não podia difundir nesses moldes", explicou.
A criação da nova lei de imprensa angolana foi na altura a justificação apresentada pelo Governo para o impedimento. Todavia, já aprovada, a lei ainda não foi publicada e, por isso, ainda não foi permitida a difusão do sinal nas províncias.
"Entrámos nessa cantiga e esperávamos que a nova lei de imprensa pudesse dar alguma abertura em relação a isso, mas infelizmente não houve abertura nenhuma", disse.
A Rádio Eclesia, que nasceu como suporte para a obra evangelizadora da Igreja, era escutada antes da independência em países vizinhos como a República Democrática do Congo e a Namíbia.
Com mais de 80 trabalhadores, entre os quais cerca de 30 jornalistas, tem programas dirigidos aos jovens e mulheres e sobre a actualidade do país.
A informação é uma das apostas da Ecclesia e, os seus microfones são frequentemente abertos à oposição política e às organizações da sociedade civil, sendo também comum a denúncia de situações que envolvem injustiça social.
FONTE: Lusa

4 comentários:

MESU MA JIKUKA disse...

Oh Manel,
O Isaac dos Anjos já mexeu o pelouro.
Vá conferir.
Passei para te dizer que este é meu poiso diário.
Abraço

MESU MA JIKUKA disse...

Será?
Será ou não será? Há katá que você cai...(Sic. afroman)

MESU MA JIKUKA disse...

MV,
10 culpa o retorno para comentário ao mesmo texto. Mas é de sugerir que o teu próximo título fosse:
E de tudo falaram menos sobre a extensão da Eclésia!
Ou não será?

KATCHIPWI disse...

Valeu. Eu a partir daqui no Brasil acompanhei a ilustre visita de Bento XVI. Deus abençõe Angola e os angolanos.